sábado, 10 de julho de 2010

Prioridade

E querias sentir aquilo que sentes diariamente com mais intensidade. E querias adivinhar qual a última voz que ouvias quando o mundo acabasse, a voz terna que ia dizer aquilo que sempre fora inefável. E um abraço que te envolvesse como só o algodão faz, um sopro verde que te levasse para longe, e uma caixa de lápis de cera para colorires o preto e branco dos rostos de horror, e uma ligadura que cobrisse todo o sangue. Querias a acetona para te descomprimir dos desgostos e o amoníaco para eliminar os pesadelos.
Querias largar as prioridades e recorrer somente às opções. Depois pensaste que a única opção era esquecer. E quando de facto esqueceste, percebeste que tinha sido essa a tua prioridade.

5 comentários:

  1. Intenso, profundo e com as palavras correctas!

    ResponderEliminar
  2. Está muito suave este texto mas consegue emanar vibrações que se percebem muito bem quando se chega a parte final...gostei =D

    ResponderEliminar